No corredor do metrô vi um homem. Uma perna dobrada contra a parede, um chapéu a sua frente com moedas. Tocava acordeom. As teclas brancas, a caixa nacarada. Guardei o seu olhar. Não era triste. Um sorriso mudo e civilizado nos lábios.

Perturbado, voltei para o meu quarto de hotel: o som do teclado rompendo meus ouvidos. Não consegui dormir, a pele sem rugas, os olhos azuis do homem da sanfona vermelha me vigiavam como um naco rasgado preso num zíper.

Este texto foi extraído do livro “21 Quartos de Hotel“, de Bettina Lenci.

Leia a obra completa clicando aqui.

2 comentários em “Som Nacarado

  1. Elaine G Ferreira

    “Guardei o seu olhar. Não era triste.”
    Gente que ama o que faz.
    🙂

    • Bettina Lenci

      Concordo plenamente. Tristeza é um estado d’alma.
      Agradeço seu comentário.
      Um abraço, Bettina.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não sera publicado . Os campos marcados com * são obrigatórios.

Se quiser, voc6e pose utilizar estes tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

limpar formulárioEnviar

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.