Existem momentos em que, como o estourar de fogos de artificio, uma etapa da nossa vida acaba com o estouro e um clarão no céu. Para trás fica um destino que criamos.

À frente, um céu negro à espera de outro espocar de fogos de artifícios, ao assim terminar, outro e mais outro e mais outro destino vivido. Cada um destes destinos embrulhado em papel que escolhemos a cor, amarrado com fita e guardado em seu lugar: longe da alma e do coração.

O pacote não é para ser avaliado com adjetivos de feliz ou de desgraçado. O destino criado por nós não é uma matéria exata de pesos e medidas. O pacote contém a livre escolha. Muitos podem ser os pacotes. Cada qual é seu próprio destino.

Numa noite escura, ameaçando mal tempo, lentamente chega o barqueiro. Seu trajeto vai de uma margem para outra. Acredito que é nesta travessia que os pacotes pacotinhos ou pacotões são jogados para fora da embarcação para ela seguir mais leve. É quando não há mais pacotes para embrulhar.

2 comentários em “Destino embrulhado

  1. Marilia Freidenson

    Parabéns Bettina!

    • Bettina Lenci

      Marilia, muito obrigada. Fico feliz que você acompanha meu trabalho assim como eu acompanho o seu. Beijo

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não sera publicado . Os campos marcados com * são obrigatórios.

Se quiser, voc6e pose utilizar estes tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

limpar formulárioEnviar

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.